Sobre o Racionais MC’s, literatura e sociedade

     “minha palavra vale um tiro, eu tenho muita munição”

 

(Hoje excepcionalmente essa coluna, que é sobre cinema, política e afins, será sobre canção popular.)

O Racionais MC’s é talvez o grupo de rap de maior alcance no Brasil. Há uma foto bizarra em que Luciano Huck aparece em seu carro com discos do Racionais ao seu lado. Me parece que a cultura dita popular, a que o grupo de rap certamente pertence, alcança não só seus interlocutores principais, digamos assim (me refiro a seus iguais: negros, pobres, de periferia), mas também um tipo clássico de burguês da elite nacional, que não por acaso são os primeiros inimigos em suas letras.

Pretendo, ao longo desse texto, apontar como a literatura muda através do tempo, acompanhando a sociedade, e que o Racionais é um efeito colateral desta, refletindo a sociedade junto a um trabalho estético de primeiro nível.

O Brasil, ao longo dos anos, foi criando abismos entre classes sociais e, de certa forma, o Racionais é produto disso. A população negra, eternamente assassinada e silenciada, ganha voz (ou melhor, conquista) dentre outros meios, no rap. Como Mano Brown diz no início de “Capítulo 4, Versículo 3”, a palavra é sua arma e ele tem muitas delas. Aqui, as canções do grupo cumprem um papel fundamental: o de denúncia. A luta diária agora ganha corpo estético com a função de sobrevivência.

Maria Rita Kehl, psicanalista que escreveu sobre o grupo, aponta para a fratria do rap, uma comunidade na qual o grupo se insere e funciona como representante dela. A literatura, para eles, é além de tudo uma forma de integração, de aceitação diante de seus iguais. Pulando o ponto de vista estético, há um valor simbólico muito grande em compartilhar práticas e o ambiente para essas pessoas. Um valor que jamais será compreendido pela elite branca que se acha dona da verdade para dizer o que é Literatura.

Há uma tensão interessante em analisar o público receptor das obras do Racionais. Volto ao que disse acima sobre o Luciano Huck: seria isso uma aceitação, uma concordância com o grande valor do grupo, dessa vez vindo da elite? Aquela elite xingada até a morte nas canções agora escuta aquele som que vem da periferia. Mas isso passa, sim, por certo fetiche, por estar na moda, já que o grupo superou a barreira de classe e de raça para dar o seu recado.

A discografia do Racionais é muito rica e talvez seja possível apontar diversos caminhos em que sua literatura (aqui trabalho com o termo sendo uma abstração) se materializa.

Em “Diário de um detento”, canção de Mano Brown e Jocenir, a literatura se apoia na História e num fato específico – o massacre no Carandiru – para ganhar força (recomendamos o filme Carandiru, de Hector Babenco, que conta a história desse episódio). A partir da canção é possível esboçar uma interpretação história de formação da população carcerária no país; sobre o papel do Estado e da polícia como uso da violência institucional. E claro, seguimos vendo que o papel da canção é claro: denunciar tal violência e tais abusos por parte do Estado, além de convocar resistência, dessa vez entre os que estão presos.

“Estilo Cachorro” representa a face mais comercial e de entretenimento do grupo. Os traços são claros. Há certa vontade de mostrar empoderamento do negro frente ao branco em relação à mulher. Aqui, o pensamento patriarcal arraigado na sociedade se reflete bem em uma das músicas mais machistas do grupo (algo que infelizmente não é contrário às vendas) por isso também por isso se apoia no Mercado.

Esse apoio em algo mais material acontece de diversas maneiras, e há um que acho ser o mais interessante: quando a literatura passa a ser arma política. Falei um pouco acima e agora desenvolvo mais. Em quase todas canções do Racionais há um tom de liderança, chamando a comunidade a resistir e a lutar. O combate às opressões de classe e raça se dá nas letras depois do cotidiano. Através de sua literatura há essa síntese e a partir disso (apoiada no mundo real de desigualdades e violências) funciona como política.¹

Pensando em uma comunidade de leitores (nesse caso ouvintes) e de uma aceitação comum (de novo, a fratria), tem-se outra chave para tentar compreender o grupo. As canções juntam elementos comuns e opiniões consensuais de certas comunidades e isso gera a aceitação da arte produzida. O Racionais só é Racionais porque há ali uma dor compartilhada, mais uma vez sintetizada pela literatura.

As sociedades vão mudando ao longo do tempo e a literatura, assim como as práticas de leitura, por conseguinte, também se alteram. Aqui no Brasil, em meados do século XIX, com a escola literária chamada de romantismo, houve um movimento de fazer literatura com o propósito de formação de um Estado-nação para justificar a alternativa liberal.

Um pouco mais para frente, e tendo Machado de Assis como exemplo já que pisou nos dois lados², há uma quebra com o romantismo e entramos no realismo (uso esses nomes para melhor explicar, não para tentar enquadrar os autores em períodos literários como caixas de sapato). Agora é necessário, de alguma maneira, de narrar a realidade e não mais as fantasias dos românticos. Memórias póstumas de Brás Cubas é um perfeito exemplo: só é possível esse tipo de literatura pois a realidade por trás dela é de uma sociedade escravocrata e totalmente racista e violenta. De certa maneira foi a “modernidade” mercadológica e o pensamento escravista vigentes que forneceram ao Machado elementos para a base sociológica de seu(s) romance. É a História e sociedade influenciando diretamente a obra escrita.

Pouco mais de um século depois, e uma sociedade ainda muito violenta e racista, emerge o Racionais MC’s. O mesmo movimento acontece agora: uma voz como a deles só poderia aparecer em um momento em que a sociedade completa seu ciclo de modernidades às avessas e segue aumentando a diferença de classe. O grupo está assentado no racismo institucional e estrutural da sociedade brasileira.

Certo estudioso da “literatura oral“ aponta para as diferenças entre as classes sociais ao se diferenciar literatura escrita e oral. Lembro dessa passagem pois o rap, talvez como o samba de roda, vem de uma tradição oral muito forte (e ambos surgem com os de baixo). É impossível falar sobre rap sem lembrar das batalhas de rimas, sempre improvisadas e, mais uma vez, sempre em grupo. Esses traços permanecem e muito na trajetória do Racionais, seja nos shows, quando há, no mínimo, 50 pessoas no palco, seja nas letras, evocando um espaço comum às vizinhas e vizinhos da periferia.

O rap do Racionais é indissociável da sociedade moderna brasileira. Não é a única, mas é uma chave importante para falar sobre o grupo. Assim, penso ter sido possível enxergar como a literatura muda acompanhando a sociedade, seja na forma (dicção agressiva nas canções do Racionais demarcando opinião frente às desigualdades e à violência), seja no conteúdo (denunciando mortes, cobrando direitos). E o rap, como uma forma de literatura, seguirá cobrando enquanto nossa sociedade cultivar o racismo, a desigualdade e toda opressão de cima para baixo.

 

Rodrigo Mendes

 

1 -Em suas melhoras canções, o narrador é alguém que vivencia aquele cotidiano duro e violento, diferente das canções do primeiro álbum do grupo, Holocausto Urbano (1990), em que esse narrador tem um ar professoral, parecendo querer ensinar os boy sobre a desigualdade. Esse argumento preciso está em um trabalho de Walter Garcia.

2- Machado de Assis, provavelmente o maior escritor brasileiro, até 1880 escreveu seus romances, como Iaiá Garcia e Helena, através da ótica do romantismo. O grande Machado que em geral comentamos é realista e escreveu depois desse período. É autor de Memórias Póstumas de Brás Cubas, Quincas Borba e Dom Casmurro, todos da última fase.

 

Referências

RACIONAIS MC’S. Sobrevivendo no Inferno. 1997.

KEHL, Maria Rita. “Radicais, raciais, racionais: a grande fratria do rap na periferia de São Paulo”. In.: São Paulo em Perspectiva, 13(3). 1999.

GOODY, Jack. “Literatura” oral. In: O mito, o ritual e o oral. Tradução de Vera Joscelyne. Petrópolis: Vozes, 2012.

GARCIA, Walter. “Ouvindo Racionais MC’s”. In: Teresa revista de Literatura Brasileira [4|5]; São Paulo, p. 166-180, 2004.

Rodrigo Mendes

Graduando em Letras pela UFRGS, colunista do jornal Repórter Popular e da revista de arte Artrianon, professor de literatura na ONGEP, atualmente pesquisa sobre o Racionais MC's.